Imprimir esta página

Disciplina sobre túneis na Universidade Mackenzie conquista interesse dos alunos da graduação Destaque

Avalie este item
(2 votos)

A Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo inaugurou, em janeiro de 2018, a nova disciplina sobre túneis no curso de graduação em engenharia civil da instituição. A disciplina “Túneis e Obras Subterrâneas” é ministrada pelo geólogo Hugo Cássio Rocha, ex-presidente do Comitê Brasileiro de Túneis, e é oferecida no último ano da graduação. “Muitos alunos já vieram até mim interessados em se especializar na área”, declara Hugo Rocha. “Eles estão gostando muito do tema!”.

Ao chegar ao 10º semestre do curso, os alunos de engenharia civil devem escolher uma disciplina optativa – e o curso sobre túneis é um dos cinco oferecidos pela grade. Segundo a coordenadora do curso de engenharia civil do Mackenzie, professora doutora Magda Duro, “a Universidade Mackenzie é a primeira instituição brasileira a trazer a disciplina de túneis para a grade curricular de graduação”.

De acordo com Rocha, que também atua como assessor técnico no Metrô de São Paulo, a disciplina vem despertando a atenção dos alunos. “No começo do primeiro semestre, dei aulas para 49 alunos”, diz. “Já no segundo semestre, o número de alunos superou a casa dos 100. Isso indica que o curso tem sido bem aceito. Até fui escolhido para ser o Professor Homenageado na formatura da turma no primeiro semestre deste ano!”, lembra o ex-presidente do CBT.

Como surgiu a disciplina

 O convite para estar à frente dessa nova disciplina foi feito pela Universidade. “Recebi um telefonema do professor Alfonso Pappalardo sobre a abertura de um processo seletivo para professor da nova disciplina no Mackenzie e resolvi participar”, conta Hugo Rocha. “E fui selecionado para a função”.

Já a ideia de implantar uma disciplina sobre túneis surgiu a partir de uma proposta de ex-alunos do Mackenzie. Renato Gomes e Vinicius Caruso, engenheiros recém-formados, haviam levado a ideia à coordenação da Universidade um ano antes.

Segundo Magda Duro, a proposta veio ao encontro dos esforços da Coordenação em manter o Projeto Pedagógico do curso sempre atualizado. “Estamos sempre atentos e focados nas demandas atuais do mercado, nas inovações acadêmicas e também nos interesses dos alunos, uma vez que este curso é para eles”, declara. “Junto aos nossos alunos, notamos o interesse crescente sobre a área de túneis e obras subterrâneas e quisemos dar uma oportunidade aos estudantes de se formarem com este conhecimento”.

De acordo com Gomes, a ideia teve início a partir de uma observação sobre as necessidades estruturais da grande metrópole. “Percebemos que a construção de túneis é cada vez mais necessária em São Paulo”, explica o engenheiro. “Faltava, no entanto, esse conhecimento em nossa formação como engenheiros”.

Vinicius Caruso também acreditava nos túneis como solução de infraestrutura urbana moderna e de baixo impacto ambiental. Liderando um grupo de alunos voluntários do Mackenzie que tinham como objetivo apoiar a Coordenação do curso na reestruturação da grade curricular, Vinicius e Renato, acompanhados do professor Alfonso Pappalardo e de demais colegas, procuraram o engenheiro Tarcísio Barreto Celestino, ex-presidente do CBT e atual presidente da Associação Internacional de Túneis e do Espaço Subterrâneo (ITA) para buscar apoio na estruturação de uma disciplina.

“Explicamos ao professor Tarcísio Celestino as nossas ideias e contamos imediatamente com sua ajuda”, conta Caruso. “Ele nos auxiliou na concepção dessa disciplina desde o programa de ensino”.

Sucesso da disciplina

 Para Magda Duro, a grande procura pela disciplina sobre túneis é resultado também do trabalho do docente. “Hugo Rocha possui um domínio muito grande sobre o assunto, além de ser muito carismático no relacionamento com as pessoas de uma forma geral”.

 

Já para Hugo Rocha, o sucesso da disciplina se deve também ao tema. “Levei os alunos a visitas técnicas em obras do Metrô de São Paulo e eles andaram por lá, viram como é boa parte do que eu expliquei em aula na prática. É um tema muito legal”, conta. “Já recebi vários alunos em particular interessados em se especializar na área e pedindo orientações sobre o que fazer, o que estudar. Tem sido muito divertido!”.